Desabafo de um Exu com um Preto Velho

Exú: Sua benção, meu velho.
Preto Velho: Que Pai Oxalá te abençoe, meu fio.

Exú: Será que posso ficar um pouco com o senhor, meu velho?
Preto Velho: Claro meu fio. Mas por que esse semblante tão entristecido?
Exú: Acabei de chegar de uma Gira em um Terreiro de Umbanda, no qual trabalhei com um médium muito honesto, que me deixa a vontade em me expressar, sem que ele tente interferir ou mistificar.

Preto Velho: Mas isso não é para nos deixar feliz fio? Tantos médiuns que são tomados pela vaidade, arrogância, falta de humildade. Esse fio que vosmicê trabaia, sendo um exemplo na religião, e vosmicê chega tristonho?

Exú: Sim meu velho, eu tenho muito carinho e respeito por esse médium caridoso, trabalhador da honestidade. Mas, essa tristeza que está apertando em meu peito meu pai, não é pelo meu amado aparelho. São pelas pessoas que foram ao terreiro, pessoas que se consultaram comigo, com meus irmãos e minhas irmãs.

Preto Velho: Sim meu fio, estou começando a entender essa sua tristeza. Mas vamos tirar ela de seu peito, encoste sua cabeça no ombro desse veio, deixe seu coração falar, deixe sua luz se acender, desabafe tudo aquilo que você trouxe la da terra, dos sentimentos dos homens sem sentimentos.

O Exú encostando a cabeça no ombro do Preto Velho, como se pedisse um afago, fez uns segundos de silencio, e logo após se pôs a falar, num tom baixo, um tanto desanimado, cabisbaixo, parecendo tentar esconder algumas lágrimas que teimavam em cair de seus olhos.

Exú: Sabe meu pai, nessa gira de hoje tive muitos atendimentos. Homens que desejavam que seu semelhante perdesse a vida, para que assim pudesse se apropriar de cargo superior em local de trabalho de ambos. Mulheres que traziam ódio no coração por um suposto amor, que só ela entendia que existia, entre ela e um homem, que por seu livre arbítrio, achou por bem que deveria tomar outro caminho. Tantas maldades pedidas, tantos desamores, tantas angústias, tanto ódio espalhados em palavras, tantas cobranças, tantas aberturas dadas a obsessores, que invadiam os corações e mentes dessas pessoas, fazendo delas fantoches do espírito do mal.

Preto Velho: Sim meu fio. Entendo o que deseja dizer. Já vi muita dessas pessoas nas casas de Umbanda, e isso sempre nos traz essa tristeza que você tem em seu peito.

Exú: Meu velho, tive que lutar muito no dia de hoje, para tentar salvar as almas dessas pessoas. A cada pedido para que seja feito o mal, novos obsessores chegavam. Meus irmãos que tomavam conta da tronqueira, lutavam firmemente e arduamente para que nossa gira não fosse dominada por Kiumbas e Zombeteiros. Minhas irmãs, Pombo Giras, tentavam se fazer entender, falando as pessoas de coração sombrio e cheio de ódio, que o amor não se amarra, se conquista. Eu via por todos os cantos da casa grandes obsessores tragos pelos filhos que ali estavam simplesmente para pedir o mal, e trazendo nas mãos marafo, charutos, materiais orgânicos, tentando comprar magias não existentes. E achando tudo isso a coisa mais natural do mundo.

Preto Velho: E alguns de vosmicês aceitaram essas trocas meu fio?
Exú: Não meu Pai. Estamos acima dessas vontades materiais e orgânicas. Mas infelizmente temos alguns médiuns mistificadores que usam nossos nomes para tal recebimento. Dizendo fazerem amarrações, trancamentos, maldades, fechamentos de caminhos, e muitas outras coisas sujas.

Preto Velho: E vosmicês alertaram o Babalorixá da casa, do acontecido?
Exú: Mas meu velho, era o próprio Babalorixá que se prestava a essas cobranças, usando o nome de um de nossos irmãos.

Preto Velho: Cada vez mais entendo sua tristeza meu fio. Mas diria a ti para não se deixar ser levado por esses medíocres da religião, pois meu fio, a Umbanda está muito acima disso, está muito além dessa falta de compreensão, muito acima dessa ganância, muito acima desses obsessores encarnados e desencarnados.

Exú: Sim meu pai. Eu creio nisso também.
Preto Velho: Creia sempre meu fio. Pois Deus espera de nós, Entidades, essa grandeza de fazer o bem, lutar contra o mal, ensinar os incompreensíveis a compreender, mostrar o caminhos de luz a quem teima em buscar escuridão.

Exú: Sabe meu pai, no meu caminho de volta para Aruanda, para não chegar aqui com tantas cargas negativas, tantos obsessores trancados, tantos sentimentos humanos ruins, fui até aos irmãos da Calunga Pequena, para que me auxiliassem a me livrar de tantos pesos deixados pelos consulentes e seus pedidos incoerentes. Vi muitas moradas de corpos inertes, corpos esses que as almas estavam presas nas profundezas clamando por ajuda. Um desses corpos me chamou a atenção meu velho. Era de um antigo consulente que hora ou outra vinha até mim pedir para que seus caminhos abrissem, e para isso ele deveria então passar por cima de um semelhante. Esse homem, certa vez me disse que ali onde nos encontrávamos não teria o "trabalho forte" que ele tanto buscava. Que ali só se falava em Deus, que ali não abria caminhos que ele desejava abrir, do modo que ele pretendia. Escutei calmamente aquelas palavras, olhei em seus olhos e disse, que o caminho dele era ele mesmo que fazia, seu livre arbítrio era respeitado, assim como ele deveria respeitar o livre arbítrio de todos.

Preto Velho: Fez muito bem meu fio.
Exú: Lhe disse também, que ele poderia partir, que levasse Deus no coração, e refletisse sobre aqueles pedidos. E certamente um dia nos veríamos de novo, e dependendo de seu modo de agir e pensar dentro da religião, nosso encontro seria ou em um caminho de luz, ou em um caminho da escuridão, onde eu certamente teria que resgatá-lo.

Preto Velho: Belas palavras meu fio. Vosmicê sabe muito bem como é o caminho dessa escuridão, esteve lá milhares de vezes resgatando almas perdidas, buscando seres sem humildade, sem amor, entregues ao ódio, que muito se arrependeram após conhecer a verdadeira desgraça da maldade criada em seus próprios corações.
Exú: Isso mesmo meu pai. Um lugar dominado pelo mal, por obsessores, kiumbas, eguns e Zombeteiros, tomados pela enorme vontade de sugar todas as energias, todas as formas orgânicas, todos os sentimentos de ódio que os seres humanos possam espalhar uns para os outros, fazendo assim que esses espíritos do mal possam ser fortalecidos dia após dia.

Preto Velho: Sim meu fio. Muito triste que os encarnados não compreendam isso. Esse fortalecimento do mal. Fortalecimento esse feito pela ganância, por esses pedidos de prejudicação a semelhantes, entregas de materiais orgânicos, como carne, sangue, e ainda dizendo que são para os Exús. Muito triste isso meu fio.

Exú: Sim meu velho, muito triste mesmo.
Preto Velho: Mas fio amado, continue me falando desse consulente. O que aconteceu? Você o encontrou novamente?
Exú: Sim meu velho. Ao ver aquele corpo inerte na Calunga Pequena, e ao reconhecê-lo, fiquei imaginando onde estaria o seu espírito. E foi ai que decidi ir até abaixo da linha da luz divina para tentar encontrá-lo.

Preto Velho: E o encontrou meu fio?
Exú: Sim meu velho. Ele estava nas profundezas, quase sem energia nenhuma, tomado por obsessores de todos os lados, segurando em uma das mãos uma imagem de gesso, que ele acreditava ser minha. Uma imagem de um homem de pés de bode, chifres e cauda do demônio. Em outra das mãos ele segurava firmemente um grande pedaço de carne sangrenta, meio apodrecida já, juntamente com uma garrafa de bebida alcoólica e alguns charutos. Dizia que era sua oferenda para Exú, e que assim que conseguisse fazer essa entrega, todos seus desejos mais obscuros iriam se realizar.
Preto Velho: Pobre alma. Não entendeu ainda que só estava energizando os obsessores, e assim deixando seu espírito sem chance nenhuma de sair dali.

Exú: Isso mesmo meu pai. Foi ai que eu cheguei perto dele, chamei-lhe a sua atenção para mim, ergui minha mão em sua direção e lhe disse, "Venha comigo meu filho. Deixe essas coisas nesse chão imundo. Você e nem eu precisamos disso."
Ele me olhou firmemente, abraçando junto ao peito todas aquelas coisas, e disse: "Quem é você? O que quer de mim?"

Eu respondi tentando ser o mais sereno e convincente possível: "Sou o Exú que você um dia foi procurar. O Exú que você não aceitou como protetor. O Exú que lhe disse que um dia íamos nos encontrar novamente. O Exú no qual você deu as costas e partiu. O Exú que você afirma que precisa dessas coisas materiais e orgânicas como oferendas.

O Exú que está aqui para tentar lhe mostrar que seu livre arbítrio ainda tem um poder para te salvar da escuridão eterna e dos obsessores que tomam toda sua energia para que não tenhas forças para vencer. O
Exú que está lhe dando a mão para sua evolução verdadeira. Deseja vir comigo?

Preto Velho: E ele aceitou meu fio?
Exú: Infelizmente não meu velho. Ele me olhou de modo desconfiado, de cima a baixo, e disse: "Você não é um Exú. Onde está seus pés de bode, seus chifres e cauda. Onde está seus olhos flamejantes, seu odor de enxofre? Você deseja me enganar para levar minhas oferendas, e assim eu nunca vou conseguir fazer com que meus inimigos caiam para que eu consiga o lugar deles, eu nunca vou conseguir fazer os males da doença seja espalhada a quem um dia me ignorou, eu nunca vou conseguir aquele amor que deveria ser meu. Preciso amarrar aquela mulher. E você desejando tudo que tenho para comprar a magia dos Exús de verdade. Saia daqui, afaste-se de mim."

Preto Velho: Sim meu fio, ele ainda não tinha aprendido a usar o livre arbítrio para fazer o bem.
Exú: Não meu velho. Ele só via o próprio ódio que estava em seu coração. Infelizmente não pude fazer nada, além de insistir mais um pouco, tentar mostrar que eu era um Exú, e que somos Entidades de Luz, Entidades enviadas por Deus, e não apenas escravos das oferendas, que para nós é totalmente sem importância. Tentei mostrar que minha imagem humanizada, que minha voz serena, que minha face tranquila era exatamente a de um Exú, uma Entidade evoluída que tenta auxiliar todos os filhos que ainda se prendem aos erros impostos por alguns médiuns mistificadores ou interesseiros. E deixei bem claro que só poderia resgatá-lo pela menção de sua vontade, pois respeitaria seu livre arbítrio eternamente.

Preto Velho: E isso deixou vosmicê bastante tristonho não é meu fio?
Exú: Sim meu Pai. Não conseguir resgatar uma alma da obsessão, dos espíritos caídos, das trevas eternas, é de maltratar muito os sentimentos de protetores que nós, Exús e Pombo Giras temos. Mas ainda ficamos mais tristes quando são colocados nossos nomes como autores das crueldades, das más intenções, das amarrações, e de tantas coisas ruins, criadas pelos encarnados, feitos pelos Eguns, pelos Zombeteiros, pelos Kiumbas e depois cobrados a quem fez esses pedidos por dezenas e dezenas de obsessores, que vão sugar todas as energias desses encarnados até eles entregarem seus espíritos as trevas eternas. E depois nós, Exús e Pombo Giras, temos ainda a missão de tentar resgatar essas almas, dentro do livre arbítrio delas, as vezes não conseguimos, e muitas vezes conseguimos. E temos que ouvir alguns líderes de algumas religiões nos taxando de demônios, senhores das trevas, vagabundos, prostitutas e amaldiçoados. Ah meu velho, como é difícil esse trabalho.

Preto Velho: Sim meu fio. Mas vosmicê acredita se fosse fácil seria uma missão divina? Será fio meu, que se ocês, Exús e Pombo Giras, não tivessem essa missão tão árdua, vosmicês estariam nesse grau tão maravilhoso de evolução? Será que ter essa luta diária contra o mal, sem se deixar ser levado por oferendas sangrentas, por marafo entregue na encruza, por pito que faz uma fumaceira que esconde as más intenções, por ebós banhados por dendê, não faz dos amados Exús e Pombo Giras Entidades supremas, acima do grau de evolução de muitos seres? Será meu fio que quando um encarnado vem com a arrogância pedindo que faças uma amarração amorosa ou espiritual a um semelhante, e ocês com toda a humildade, mostram que o amor não pode ser amarrado, que o espírito é livre até que ele seja entregue aos obsessores através das maldades feitas pelo próprio encarnado.

Mesmo que esse encarnado menosprezem seus trabalhos, chamando de "trabalho fraco", "trabalho sem força". Mesmo assim, ocês continuam tentando demonstrar que o bem não pode ser trocado pelo mal, que a luz não pode ser trocado pela escuridão, que o amor não pode ser trocado pela amarração. E se mesmo assim esse encarnado lhe der as costas, ocês o acompanham e o protege, mesmo sendo vistos ou como Exús fracos, ou como seres do demônio, mas sempre ali levando a luz.

Exú: Sim meu velho, é assim nosso trabalho. É assim que agimos. É assim que somos.

Preto Velho: Sabe meu fio, eu enquanto encarnado, nas fazendas de café, no cativeiro das senzalas sujas e frias, acorrentado nas correntes da ignorância do homem branco, sendo açoitado nos troncos da morte, já tive a mesma tristeza que ocês, exús e Pombo Giras trazem no coração. Então eu elevava minha fé a Zambi, rezava uma oração, pedia a nosso Deus poderoso para perdoar aqueles feitores que nos castigavam cruelmente, aqueles coronéis sedentos da ganância que nos vendiam como animais, aqueles homens e mulheres de peles branca como a nuvem que nos açoitavam, nos humilhavam, nos matavam friamente, apenas para demonstrar poder, apenas porque éramos negros na pele, esquecendo que tínhamos um coração que batia e chorava igualmente a todos, que tínhamos o sangue vermelho correndo nas veias como todos os seres de Deus, que amávamos, sentíamos dor, fome, sede, e tudo mais como os brancos. Mas mesmo assim éramos vistos como fracos, diferentes, escória, feiticeiros, endemoninhados. Então meu fio, talvez seja melhor fazermos uma prece para essas almas perdidas, para esses mistificadores que tentam se passar por ocês, para esses falsos líderes religiosos que necessitam de criar um inimigo que venha das trevas para induzir aos pobres fiéis sem conhecimento, e assim tirar todo seu ouro e prata, para todos que por ignorância imagina que a linha "docês" traz o mal, faz feitiçarias, amarra almas e sentimentos, tudo isso trocado pelo sangue, carne, velas, marafo, ebó, padê, como escravos das trevas.

A prece acalma, traz luz a esses seres, afasta obsessores, encaminha almas, traz alegria. Vamos fazer essa prece meu fio?

Exú: Meu velho, o senhor tem uma sabedoria grandiosa. suas palavras já acalmaram meu coração. Vamos meu velho, vamos fazer nossa prece.
Preto Velho: Antes meu fio, dá cá um abraço nesse veio, que já está com lágrimas no zoio.
Preto Velho/Exú: Deus nosso Pai, que sois todo poder e bondade...
... Que assim seja sempre.