"João Pinto de Maria: Um gigante como Adamastor"

Brevíssima conversa sobre "João Pinto de Maria: Biografia de um louco" de José Alcides Pinto
Por Ana Tamires Oliveira


João Pinto de Maria é um dos personagens que habitam o universo literário de José Alcides Pinto e ocupa um lugar de grande importância no projeto literário do escritor. Ele é o único personagem que conquistou sua própria biografia escrita em livro único e publicado como romance.

João Pinto de Maria é estranho, único e especial ! Ele é, sem dúvida, um monumento na Literatura Alcidiana.

O romance João Pinto de Maria: Biografia de um louco foi publicado em 1974 como o terceiro romance da Trilogia da Maldição (composta por O Dragão, 1964 - Os Verdes Abutres da Colina, 1974 e João Pinto de Maria: Biografia de um Louco - 1974) lançada em volume único em 1999.

Composição do romance:

1ª PARTE: "A fortuna de João Pinto de Maria".
O personagem é apresentado como alguém que retorno recentemente ao seu local de origem (passou muitos anos vivendo no Amazonas), possuidor de grande fortuna e sempre caracterizado como "estranho" e ser humano "incomum". Segue um trecho:
"João Pinto de Maria era um homem muito estranho, metido com seu trabalho, sua casa, suas obrigações. Um homem diferente de todo mundo. A cabeça curva, a vista caída no caminho, nos pés; a poeira assentada no tecido da fazenda, como um verniz; acumulada nas orelhas, no pêlo dos braços, na dobra do chapéu-de-palha. A poeira dos caminhos por onde andava - a poeira quente do verão - cobrindo o homem, o vulto do homem só, solitário, conversando sozinho pelos campos [...]" (PINTO, 1974, p.110).
2ª PARTE: "A ascendência de João Pinto de Maria".
Na segunda parte do romance o leitor conhece a história dos antepassados do personagem e como suas características herdadas são determinantes para compreender o desenrolar da biografia de João Pinto. Segue um trecho:
"Herdara da mãe, Patrocina de Jesus, a agilidade no tanger dos fusos, pois Patrocina era conhecida como a melhor rendeira daquelas paragens" (PINTO, 1974, p. 142).
3ª PARTE: "Perfil do Santo ou do louco".
Na terceira parte do romance o leitor se depara com uma extrema crise existencial que perpassa o personagem principal. Segue o trecho:
"A multidão acercou-se do corpo de João Pinto de Maria com a mesma veneração que dedicava ao corpo de Cristo, porque a noticia saltou no ar, entrou na mente dos fiéis, e todos que estavam ali presentes eram testemunhas do que havia se passado, isto é, de que nas mão e nos pés de João Pinto de Maria estavam impressas as marcas dos cravos com que pregaram Jesus Cristo na Cruz" (PINTO, 1974, p. 159).

Uma característica marcante da obra é o viés do Fantástico que tornam alucinantes as situação da narrativa.